Nova Zelândia

Parques nacionais gigantescos, cultura maori dinâmica e surf e esqui de classe mundial. A Nova Zelândia pode ser suave ou cheia de ação, mas é sempre épica

Caminhar ao lado da selva

Existem apenas 4,8 milhões de neozelandeses, espalhados por 268.021 km2: maior que o Reino Unido, com um décimo quarto da população. Preenchendo as lacunas estão as sublimes florestas, montanhas, lagos, praias e fiordes que fizeram da Nova Zelândia um dos melhores destinos para caminhadas do planeta. Enfrente uma das épicas 'Great Walks' - você já deve ter ouvido falar das trilhas de Heaphy e Milford - ou passe algumas horas vagando ao longo de uma praia, remando em uma canoa ou praticando mountain bike em alguma região selvagem de fácil acesso.

Cultura Maori

Os conquistadores "All Blacks" da Nova Zelândia nunca teriam se tornado campeões mundiais consecutivos de rúgbi sem seus jogadores Maori imparáveis. Mas este é apenas um exemplo de como a cultura Maori se impressiona na vida contemporânea Kiwi: em toda a Nova Zelândia você pode ouvir a língua Maori, assistir à TV Maori, participar de um hāngi (festa Maori) ou assistir a uma apresentação cultural com música, dança e o haka (dança de guerra). O design Maori continua a encontrar expressão no ta moko, na tatuagem Maori (frequentemente aplicada no rosto) e na delicada arte da escultura de osso, concha e pounamu (pedra verde).

Comida, Vinho e Cerveja

Clássicos com influência britânica, como fish and chips, não vão a lugar nenhum, mas a gastronomia neozelandesa já percorreu um longo caminho. Chefs em Auckland, Wellington e Napier pegam influências de lugares tão distantes como as ilhas do Pacífico Sul e da Europa Ocidental para interpretações criativas de cordeiro e frutos do mar de origem local, como abalone, ostras e vieiras. Enquanto isso, as cenas de comida vegetariana e vegana ficam cada vez mais proeminentes e inventivas. Regue tudo com a cultura do café, uma cena agitada de cerveja artesanal e vinhos lendários de clima frio (como o sublime sauvignon blanc e o pinot noir).

"O melhor de viajar não é ganhar, é perder. E o que de melhor se perde, em viagens, é o eu."

Fernando Pessoa